sábado, 3 de janeiro de 2015

A diarreia verborrágica de Dilma

OPINIÃO | Por GENISSON SANTOS*
Depois de vencer, com base em mentiras, a eleição mais difícil do período pós-redemocratização, a presidenta (sic) Dilma tomou posse neste primeiro dia do ano, com um discurso de mentiras. 

Durante quase uma hora, a ‘marajá’ requentou velhas promessas não cumpridas, como a suposta priorização da educação, citou números e dados inverídicos, apelou para novas promessas e repetiu velhos discursos em uma diarreia verborrágica. 

“Temos hoje a primeira geração de brasileiros que não vivenciou a tragédia da fome. Resgatamos 36 milhões da extrema pobreza e 22 milhões apenas em meu primeiro governo". 

Esta foi uma das mentiras de Dilma no ápice de sua verborragia. De acordo com o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), apenas 8,4 (e não 36) milhões de pessoas saíram da extrema pobreza.

A presidente também mentiu ao falar do número de casas entregues pelo "Minha casa, Minha vida".

E, teleguiada por seu brilhante marqueteiro, Dilma também falou em combate a corrupção na Petrobrás. 

Sem dúvida ela encarnou de vez a figura de “bob@ da corte” e resolvera contar uma anedota, uma piada, para “divertir” os brasileiros. Só pode ser! Afinal de contas, os saqueadores da Petrobrás é ela e os compassas de sua facção criminosa travestida de partido político. 

Se ela realmente quisesse fazer algo em prol da empresa, começaria extirpando a quadrilha que se alojou na estatal, afinal não se entrega 'ovelha' à raposas.

*Genisson Santos é jornalista, editor-chefe do FatoEntreAspas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário